Terça-feira, 27 de Março de 2007
19. Qual o impacte da alta velocidade ferroviária na evolução do tráfego aéreo da Portela?
O impacte da Alta Velocidade Ferroviária na procura de transporte aéreo poderá reflectir-se numa redução do volume de tráfego de passageiros em deslocações entre Lisboa/Porto e Lisboa/Madrid, dado o comboio de alta velocidade permitir tempos de percurso próximos do modo aéreo.
As últimas previsões de tráfego aéreo, realizadas em 2004, levaram já em linha de conta os impactes estimados da entrada em operação do comboio de alta velocidade, estando-lhes subjacentes os seguintes pressupostos:

Nas ligações a Madrid:

• Ligações entre Lisboa e Madrid em cerca de 150 a 180 minutos.

• Assumiu-se que a entrada em operação deste modo se traduza numa quebra de procura do modo aéreo entre Lisboa e Madrid da ordem de 30%. Assim, se essa entrada em operação ocorresse hoje, e atendendo a que a ligação Lisboa / Madrid representou em 2004 cerca de 6,7% do tráfego aéreo com origem/destino em Lisboa (ou seja, cerca de 704 000 passageiros/ano), o impacte desta quebra, em passageiros, rondaria cerca de 211 000 passageiros/ano.
Nas ligações ao Porto:

• A criação de uma ligação em Alta Velocidade Ferroviária permitirá reduzir o diferencial de tempo (a ligação ferroviária Lisboa-Porto, incluindo os tempos de acesso às estações terminais, admitiu-se passar a ser efectuada em 115 minutos).

• Assumiu-se que a entrada em operação deste modo de transporte se traduza numa quebra de procura do modo aéreo para esta ligação da ordem dos 40%. A ligação Lisboa/Porto representava, em 2004, cerca de 5,3% do tráfego aéreo com origem/destino em Lisboa, ou seja, cerca de 555 000 passageiros sendo que o impacte corresponderia a uma perda de cerca de 222 000 passageiros/ano.

Apesar de a Alta Velocidade ser um modo concorrente do transporte aéreo em distâncias da ordem dos 300 aos 800 km, a diminuição ou mesmo supressão de linhas aéreas internas e/ou de curta distância poderá ser benéfica se resultar na libertação de capacidade para voos de médio/longo curso (dificilmente substituíveis por outro meio de transporte).


publicado por ota às 16:39 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comandante João Moutinho. Ver nota biográfica.

.vídeos
.Documentos

. apresentações(7)

. capacidade limite(1)

. características(1)

. cv´s(1)

. documentos(45)

. epia(2)

. estudos(28)

. impacte da relocalização(1)

. impacto(1)

. investimento(1)

. lisboa 2017(1)

. naer(1)

. notas técnicas(1)

. ota(1)

. parceiros(1)

. perguntas frequentes(51)

. perspectivas(6)

. pontos de vista(1)

. regulação(1)

. rio frio(1)

. viabilidade(2)

. todas as tags

.links
.posts recentes

. Questões chave

. Ponto de Partida

. Futuro

. 50. A implantação do Novo...

. 49. Como irá a localizaçã...

. 48.

. 47.

. 46.

. 45. Existem outros aeropo...

. 44. Qual o Modelo de Tran...

.arquivos

. Junho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

blogs SAPO
RSS